Total de visualizações de página

sábado, 25 de setembro de 2010

ARTE QUE BRILHA EM CORDOBA

Arte que brilla en Córdoba
Esculturas de Bastón Díaz, tintas de Kuitca, obras de Aizenberg y últimas adquisiciones del Museo Caraffa en arteBA se destacan entre las nuevas muestras del Caraffa.
Por: MARINA OYBIN



JUAN MELE.. Energy 7, 1986, acrílico sobre tela, 76 x 51 cm.
1 de 2
Hay vernissage y fiesta. Estamos en el Museo Caraffa de Córdoba. Quienes lo pisen por primera vez, como esta cronista, descubrirán una perla de unos 5.000 metros cuadrados, que cumple con todos los parámetros museísticos establecidos para la óptima conservación del patrimonio. Es un espacio bien moderno, con sistema de iluminación computarizado, donde acaban de inaugurarse ocho muestras simultáneas de artistas consagrados y emergentes. Así, a lo grande, suelen hacerse las inauguraciones en el Caraffa. Hay champán y, claro, fernet con coca.

Desde la tarde hasta bien entrada la noche más de mil personas visitan las salas y pasean por los jardines, donde suena una banda de rock blusera. Tras escucharla, empiezo el recorrido.

Iluminado por la luz natural que avanza por la lucera original del edificio de 1916, Restos y encuentros en la ribera es la deslum- brante muestra del gran Bastón Díaz. Se trata de 16 bocetos que hizo para las esculturas monumentales de la plaza Rubén Darío, pegadita al MNBA. Allí, utilizó la friolera de 25 toneladas de acero.

Inspiradas en la inmigración que llegó a nuestras pampas, las piezas de chapa de hierro soldada pertenecen a su serie De la Ribera, que viene trabajando hace años.

Se mezclan aquí los viajes de este artista entrañable, apasionado y uno se anima a decir necesario, que después de pasar siete años en París, donde estudió en la Escuela Superior de Bellas Artes, en la Sorbona y en la Universidad de Vincennes, decidió regresar.

"Cuando volví percibí que muchos de los viejos maestros se la pasaban postergando su obra: esperaban que el Estado o un coleccionista la financiara, pero eso nunca pasaba", cuenta el artista a Ñ. Recuerda además que como no estaba dispuesto a negociar la imagen de su obra, se lanzó primero a trabajar como orfebre hasta alcanzar una situación económica sólida que le permitiera empezar a meterse en la escultura de grandes dimensiones, solo, sin esperar financiamiento.

Así logró lanzarse con sus primeras piezas. Las influencias de Bastón pueden rastrearse en escultores como los hermanos Naum Gabo y Antoine Pevsner o en Max Bill. De composición constructivista, su obra incluye bisagras, simbólicamente potentes, que abren caminos que se alejan de la geometría pura.

Sus colosales volúmenes convexos, que evocan restos de barcos, son de una pesadez infinita: jamás volverán a partir. Esos bloques semiesféricos imponentes transforman el espacio que los rodea, volviéndolo denso, extraño. Hay melancolía en esos fragmentos encastrados de cascos de navíos. Son, por sí solos, más allá de su alusión, abstracciones que conmueven. Es que estas obras gigantescas desatan un espacio vertiginoso, resignificando la dimensión humana. "Con las obras grandes pude concretar el espacio dramático que yo buscaba; en estos bocetos no recibís todo el impacto dramático que tiene que tener la obra", dice Bastón Díaz.

Sin embargo, en esta nueva escala, sus obras no pierden contundencia. El tamaño de las piezas, que van de los 60 centímetros, la mayoría, a los dos metros de alto, que en su caso, con obras de más de diez, pueden considerarse pequeñas, invita a poner el foco en cuestiones diferentes, sin dejar de conmover. Se percibe la sutileza de las texturas óxido, la distancia milimétrica que separa los volúmenes, el equilibrio de las piezas, que a veces da la impresión de que se apoyaran en un solo vértice.

Cuesta apartar la mirada de estas esculturas, abandonar la sala.

A unos pasos, está la muestra de Roberto Aizenberg, con obras que van de 1950 a 1980, desde sus comienzos con el maestro Battle Planas pasando por el exilio. Un sello singular marcado por la poética de la metafísica y el surrealismo. Curada por Isaac Lisenberg, la muestra, con más de medio centenar de trabajos, recorre los temas que el artista abordó con distintas técnicas: como torres y personajes. Hay exquisitas esculturas, óleos con guiños al romanticismo nórdico, están sus características obras silenciosas y atemporales, con luz irreal potenciada por el tratamiento con veladuras, y no faltan pinturas de las que Aldo Pellegrini definió como "geometría metafísica".

Otra sala reúne las últimas adquisiciones que el museo compró en arteBA. Se destacan Abismo de Marcia Schvartz, exuberante mix de materiales rústicos y copia de glamorosos, una obra de Román Vitali y una fotografía de Nicola Costantino. De la artista, se presenta además Trailer, que lleva al formato video, con muy buenos resultados, el tema del doble.

Con una secuencia de imágenes que dura apenas algo más de tres minutos, pone el foco en ese álter ego, creado meticulosamente a partir de un molde del propio cuerpo y devenido sombra tétrica.

Continuamos hasta la sala que reúne una serie de dibujos en tinta del joven Kuitca, pertenecientes a la colección Estudio Lisenberg.

Están sus escenas bien teatrales, sus columnas y sus emblemáticas camitas. En su caso los dibujos no son bocetos: surgen casi siempre después de sus pinturas.

En una de las salas más grandes se exhiben las pinturas de gran formato de Eric Van der Grijn. Las otras tres muestras son las de los cordobeses Pablo Scheibengraf y Marisol San Jorge, y el II Premio AMEC de Fotografía, que ganaron Res y Esteban Pastorino, con premios adquisición de 12.000 pesos cada uno.

En la noche cálida, la banda sigue tocando en el jardín. Algunos se recuestan en el pasto, junto a las esculturas de Hernán Dompé, cuyas bases se transformaron en improvisados soportes para copas vacías. La gente sigue llegando.

[an error occurred while processing this directive]

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Metrópolis - Wesley Duke Lee


Metrópolis - Wesley Duke Morreu aos 78 anos um dos nomes mais influentes das artes plásticas brasileiras, criador do Grupo Rex. O programa "Metrópolis" é exibido pela TV Cultura de segunda a sexta-feira às 21h40.

Metrópolis - Festival de Cinema de Toronto

Metrópolis - Festival de Cinema de Toronto

Metrópolis - Festival de Cinema de Toronto

Metrópolis - Festival de Cinema de Toronto

Metrópolis - Festival de Cinema de Toronto

Metrópolis - Festival de Cinema de Toronto

29ªbienal de São Paulo


Veja os últimos preparativos e as instalações nos terreiros do Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera. A 29ª edição da mostra abre para convidados dia 21/9 e, ao público, no próximo dia 25. O programa "Metrópolis" é exibido pela TV Cultura de segunda a sexta-feira às 21h40.

domingo, 12 de setembro de 2010

Cineasta francês Claude Chabrol morre, aos 80 anos, em Paris


by uol



O cineasta francês Claude Chabrol, diretor de "Beau Serge"
Paris - O cineasta francês Claude Chabrol morreu neste domingo (12) aos 80 anos, segundo informaram fontes da Prefeitura de Paris citadas pela emissora "France Info".

Chabrol, considerado um dos produtores-chave da cinematografia francesa, nasceu em 24 de junho de 1930, e foi, além de diretor, produtor e crítico do "Cahiers Du Cinéma".

Entre os filmes de Chabrol estão alguns dos mais destacados do cinema francês, como "Beau Serge", "Violette Nozière", "La Cérémonie" e "Merci Pour Le Chocolat".

Em 2009 dirigiu "Bellamy" e suas últimas obras foram dois capítulos de "Au Siècle de Maupassant: Contes et Nouvelles du XIXème Siècle".

sábado, 11 de setembro de 2010

O crítico teatro venezuelano

por cristiano última modificação 07/09/2010 16:02
Peça "Passaport" traz reflexão sobre temas como identidade nacional, imigração e desrespeito aos direitos humanos deixaria de ser necessária




07/09/2010

Alex Rodrigues

Agência Brasil



Uma mulher viajando sozinha acorda ao chegar a uma estação de trem. Obrigada a desembarcar e sem saber onde está, ela busca obter informações com um soldado responsável por fiscalizar a entrada de imigrantes no país. Sem falar o idioma local, a mulher se vê enredada em uma série de mal-entendidos que culmina com sua prisão temporária, durante a qual será torturada pelo soldado e por um oficial truculento.

Que país é este de autoritarismo e desrespeito aos direitos humanos retratado na peça Passport? O dramaturgo venezuelano Gustavo Ott se apressa para esclarecer que a história apresentada na sexta-feira (3) e no sábado (4) como parte da programação do Mirada - 1º Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos (SP) não se passa na Venezuela do presidente Hugo Chávez.

"Um espectar ontem me perguntou se o país é a Venezuela e eu disse que não. Ele então quis saber se poderíamos apresentar esta peça em nosso país e eu lhe respondi que sim, que ela está em cartaz há dois anos. Quando eu lhe disse que não há censura na Venezuela ele me pareceu desapontado. Ele queria que eu dissesse que há, mas a verdade é que, no caso do teatro, mesmo do teatro político, não há censura", disse o dramaturgo à Agência Brasil.

"Creio que vivemos um processo muito interessante na Venezuela. Há, lógico, muitas críticas que podem ser feitas à administração de Chávez, mas não se pode acusá-lo de não ter sido eleito democraticamente ou de violar as liberdades individuais."

Passport foi escrita em 1988 e se inspira parcialmente em episódio vivido pelo próprio Ott que, anos antes, foi barrado ao tentar atravessar a fronteira entre a antiga Iugoslávia e a Albânia. "Eu ia para a Grécia, mas peguei um trem errado. Na Albânia não me compreendiam e não sabiam onde fica a Venezuela. Para que me compreendessem, disse que era um país vizinho ao Brasil, que eles conheciam por causa do futebol", lembra Ott, que passou um dia no posto de fronteira até ser liberado.

Após o sucesso inicial, a peça ficou anos sem ser encenada. Ott chegou a acreditar que nos anos 1990 a reflexão sobre temas como identidade nacional, imigração e desrespeito aos direitos humanos deixaria de ser necessária. A própria história, contudo, trataria de desenganá-lo. A invasão do Iraque por tropas militares norte-americanas, a prisão arbitrária e a violência contra acusados de terrorismo detidos em Abu Ghraib e o endurecimento das leis antimigração demonstraram a atualidade do texto.

"Nos anos 1980, era comum na América Latina a discussão sobre os direitos humanos, as arbitrariedades e a incomunicabilidade. A partir de 1990, os conteúdos se superficializaram e já não era tão importante fazer teatro político. Quando começou o século 21, a roda da história voltou a girar de forma dramática. Nestes dez anos vimos de tudo e vemos agora um mundo amedrontado em que a tortura deixa de ser exclusividade dos países subdesenvolvidos e no qual temas como a imigração e as identidades nacionais voltam a ser centrais", argumentou Ott.

"Passport é uma peça que se adapta aos diferentes espectadores. No Japão nos disseram que a história lembrava a relação e as diferenças entre os moradores da capital e os do interior, que em muitos casos se odeiam. Já em Israel houve quem me dissesse que ela dizia respeito à diáspora judaica. Na Venezuela, claro, pensamos que o texto fala também sobre a divisão entre uma Venezuela politicamente comprometida e outra que sente que seus direitos estão sendo cerceados", disse o dramaturgo, que trabalhou como jornalista durante 18 anos, período durante o qual escreveu sobre política, esportes, crimes, cultura e moda. Nesse mesmo período, ele se dedicou a escrever parte de suas mais de 40 obras. Três delas estão em cartaz no Brasil: Chat, em Recife (PE); Dois Amores e um Bicho, em Curitiba (PR) e Divorciadas Evangélicas e Vegetarianas, que está em cartaz em Salvador (BA) e está prestes a estrear também no Rio de Janeiro (RJ).

"Este é um momento muito importante para o teatro na Venezuela. Há um teatro comercial, dedicado ao entretenimento, que embora não reflita sobre o país, leva grandes públicos às salas. E há também um teatro independente cada dia mais político e poético. Há muitos novos autores escrevendo muito bem e estamos sendo montados no exterior", disse o dramaturgo antes de criticar o governo venezuelano por não dar o devido apoio ao teatro e à literatura. "Houve uma estratégia política para o desenvolvimento do cinema nacional que já começa a dar frutos, mas para o teatro e para a literatura não houve qualquer planejamento além de tentar massificar o acesso. Isto está começando a ser rediscutido agora", concluiu Ott.

Teatro da Boa Vista -RECIFE - PE-reabre para o grande público neste domingo


Teatro da Boa Vista reabre para o grande público neste domingo
Publicado em 11.09.2010, às 13h00
Do JC Online

Depois de 23 anos fora do circuito tradicional, o Teatro da Boa Vista reabre para o grande público neste domigo (12), com o espetáculo musical Sonho de Primavera, às 10h, na linha infanto-juvenil e há seis anos em cartaz. Durante dois meses a casa passou por reformas na rede elétrica e iluminação, além de receber climatização. Foram investidos R$ 200 mil, parceria entre a Rede Salesiana do Recife - o teatro é patrimônio do Colégio Salesiano - e a Chocolate Produções Artísticas.

O teatro Boa Vista foi inaugurado em 1987 mas nunca fez parte do circuito cultural do Recife. A maior demanda era por reuniões de empresas, eventos e atividades do próprio colégio. "O Salesiano já tinha esse desejo de abrir as portas do teatro para receber peças populares e abrigar o grande público. Conversamos com alguns interessados no projeto até fechar parceria com a Chocolate Produções Artísticas (produtora do Palhaço)", disse o gestor da rede salesiana, Padre João Carlos Ribeiro.

O primeiro espetáculo é uma montagem com temática ecológica e conta a história de duas amigas com gostos diferentes: uma apaixonada pela natureza e outra por shopping centers.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

A crítica foi severa com a exposição dos novos quadros do cantor americano Bob Dylan


BY UOL
DA FRANCE PRESSE, EM COPENHAGUE

A crítica foi severa com a exposição dos novos quadros do cantor americano Bob Dylan, inaugurada no sábado no Statens Museum for Kunst de Copenhague, considerando que não merecem ser exibidos no maior museu da Dinamarca.

A exposição, intitulada "The Brazil Series", inclui cerca de 40 pinturas em acrílico e oito desenhos sobre o Brasil, realizados entre 2009 e março de 2010 a pedido do museu e expostos pela primeira vez.

Nos principais jornais do país, os especialistas não economizaram críticas à obra plástica do músico, como o Berlingske Tidende, que considera que "quando se fala de música, Bob Dylan é um dos grandes, o Picasso do século 20, mas este não é o caso com sua pintura".

Divulgação

Uma das duas favelas retratadas por Dylan, a obscura Villa Broncos é citada no catálogo como sendo carioca
Dylan expõe no Statens Museum for Kunst "não porque suas telas sejam boas, mas sim porque é o Bob Dylan", indica o crítico.

O jornal Politiken também é duro e se pergunta "se esta exposição é interessante para aqueles que não cultuam Bob e tudo o que ele faz".

O jornal econômico Boersen criticou a direção do museu por "colocar os ganhos financeiros à frente da avaliação artística", considerando que o simples nome de Dylan "faça com que um grande público compareça".

O professor de História da Arte Peter Brix Soendergaard, entrevistado pelo jornal Information, considera que "Bob Dylan pinta como qualquer amador, utilizando um estilo figurativo um tanto pesado. É o que chamávamos antes um pintor de domingo".

Só a revista semanal Weekendavisen é um pouco mais suave em sua crítica, ressaltando que "Dylan não é um grande pintor, mas é interessante porque não é pretensioso e tem um olhar para o drama".

Respondendo às críticas, o diretor do museu, Karsten Ohrt, negou que tenha feito uma exposição de Dylan somente com fins econômicos.

"Acreditamos que Dylan é um pintor de qualidade e suscita grande interesse entre os pintores e colecionadores dinamarqueses", declarou nas páginas do Politiken.

+

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Louis Cane


Communiqué de presse
Louis Cane
Louis Cane, artiste peintre

Louis Cane appartient à la génération des peintres qui se sont fait connaître au début des années soixante-dix avec le groupe Supports/ Surfaces. Un collectif d'artistes dont le travail pictural est organisé autour de la déconstruction du tableau…

Faire de la peinture en disposant les éléments formels du tableau. La toile, le châssis dans tous leurs aspects deviennent ainsi coupés, assemblés, collés, recomposés en kits prêts à peindre pour de nouvelles formes picturales. Moment de joyeuse transgression avant d'entreprendre, tout au moins pour Louis Cane, au début des années quatre-vingts, une relecture de la peinture.

Ce sera la Renaissance Italienne avec les déluges d'Ucello, Giotto avec les Annonciations, mais aussi Manet avec ses fleurs, et Monet avec ses Nymphéas, sans oublier Vélasquez et ses Ménines, à moins que ce ne soit Picasso ou De Kooning qui le conduise à Vélasquez… On ne sait plus…

Mais Louis Cane, artiste peintre, nous indique très précisément que ce qui l'intéresse avant tout, c'est ce formidable volume condensé de formes et de couleurs qui s'appelle «Histoire de la Peinture». D'ailleurs, ajoutons qu'il doit y être bien, dans cette Histoire, car il prend soin de jalonner ce parcours d'inventions formelles, comme il le dit lui-même, «vraiment modernes».

Toiles découpées, résine sur grillage, châssis plumes, comme si, de temps en temps, au fil des ans, la peinture pouvait se peindre toute seule. Parcours singulier et plein de curiosité.

L'exposition réunie soixante-dix oeuvres choisies pour leurs coïncidences «formelles» et «affinités» de sens.




Louis Cane pertence à geração de pintores que se tornaram conhecidos na década de setenta, com O GRUPO suportes / superfícies. Um coletivo de artistas cuja obra pictórica se organiza em torno da desconstrução da imagem ...

Faz a pintura com os elementos formais d. A tela, o quadro em todos os seus aspectos se tornam bem cortados, montados, colados, recomposta em kits prontos para a pintura de novas formas pictóricas.Ele transgressor antes, pelo menos por Louis Cana, no início dos anos oitenta, uma repetição do quadro.

Este será o Renascimento italiano, com um dilúvio de Uccello, Giotto com a Anunciação, mas também com as flores de Manet, Monet e com Nenúfares, para não mencionar Velasquez e Las Meninas, salvo se isso for Picasso ou de Kooning, que lidera Velasquez ... Ninguém sabe ...

Mas Louis Cane, pintor, nos diz muito claramente que o que mais lhe interessa é o volume enorme de formas e cores condensado chamado "História da Pintura". Além disso, acrescentando que não deve ser bom, nessa história, porque ela cuida de participação das invenções vias formais, como ele mesmo diz, "realmente moderna".

Tecidos cortados, cerca de resina, as penas do frame, como se, de tempos em tempos ao longo dos anos, a pintura poderia retratar-se sozinho. carreira singular e cheio de curiosidade.

A exposição reuniu setenta obras escolhidas para a sua coincidências "formal" e "afinidade" de significado.