sábado, 10 de outubro de 2009

Enquadramento da Arte Contemporânea.

LEONOR SOARES ACRÍLICO SOBRE PAPEL E MADEIRA
http://sepia.no.sapo.pt/sepiaapt.html

O campo das expressões artísticas estende-se por variadas áreas, tendo como elo de ligação, o conceito de "ser um meio onde a comunicação e a expressão se produzem num contexto determinado de forma muito particular, elevado". As ideias, sensações, os factos, são "construídos" e veiculados aqui, de uma forma criativa, por meio de expressões originais e a mensagem caracteriza-se por ter uma forma rica de significações que ultrapassa as barreiras do tempo .

Pode-se dizer, que não existiu nenhum povo ou civilização que não tenha deixado as suas marcas sob forma artística, quer nos objectos que produziu, na arquitectura, pintura, escultura, música, dança, literatura, etc.
As razões básicas e subjacentes à criação de obras artísticas partem de respostas a necessidades. Estas necessidades podem ser de ordens variadíssimas, quer de ordem prática imediatista do quotidiano, ou ocupar-se de necessidades mais altas do intelecto ou do espírito, como a expressão de sentimentos e ideias.
O conceito de "história de arte" tal como o entendemos no nosso século é um fenómeno relativamente recente no tempo, tendo em conta a história de vida do homem no mundo. Muitos dos objectos de civilizações anteriores que serviam um fim puramente utilitário são hoje considerados arte. Tal facto deve-se à ideia agora consensual de que estes carregam uma carga de significações estéticas tal, que os remete para a área da arte. O que antes era considerado uma obra de um artesão ou de um feiticeiro indígena, com significações unicamente relacionadas com um fim prático de cumprir uma função nas tarefas do dia a dia ou nos rituais mágicos da tribo, converte-se agora em peça de museu e em obra artística.
Dentro das áreas de expressão visual modernas, pode-se referir a pintura, a arquitectura, escultura, design de equipamento e gráfico, desenho, fotografia, ilustração, cinema, televisão, vídeo, as técnicas de impressão (serigrafia, gravura, litografia, xilogravura), a cerâmica e o mosaico, e até a banda desenhada. Quer trabalhem sobretudo no domínio bidimensional ou tridimensional, são tudo domínios que utilizam os meios visuais na sua área de actividade. Embora com características, âmbitos e metodologias particulares, a todos portanto interessa o adestramento possibilitado pelo estudo dos mecanismos da percepção visual, das linguagens visuais em geral, da comunicação, da expressão, etc., pois a integração destes saberes permite a elaboração de obras mais conseguidas, com maior riqueza tanto ao nível estético como funcional.

Este século vários estudiosos da comunicação visual levaram a cabo um levantamento e "análise" dos diferentes componentes da imagem e dos seus significados, na publicidade, na B.D., na fotografia, cinema, televisão, vídeo, cada um com as suas características próprias e as suas condicionantes, mas com um denominador comum: a utilização de signos visuais. Todos estes meios constituem o cenário da cultura actual. "A civilização" da imagem!
A pintura, a escultura, a arquitectura, a publicidade gráfica, as publicações várias, a fotografia, o design gráfico e industrial, etc., todos se debruçam e reflectem sobre os aspectos relacionados com a sua linguagem.
Para nos considerarmos "alfabetizados" temos que compreender os componentes básicos da linguagem escrita: as letras, as palavras, a ortografia, a gramática, a sintaxe. O que é possível expressar com estes poucos elementos e princípios da escrita é realmente infinito. Uma vez dominada a técnica, qualquer indivíduo pode produzir não só uma infinidade e variedade de soluções criativas para os problemas da comunicação verbal assim como também um estilo pessoal.
Na base de tudo isto está a estrutura verbal básica. Alfabetização significa que todos os membros de um grupo compartilham o significado relacionado um corpo comum de informação.
Leonor Soares, 1997 ©



Enquadramento da Arte Contemporânea
"A guerra explodiu num contexto cultural que já tinha assistido, durante a década de 30, à emigração de numerosos intelectuais europeus para os Estados Unidos, com o consequente enriquecimento de conhecimentos e a criação de novos estímulos para a cultura americana. A essa emigração seguir-se-á, no final da guerra, a deslocação substancial dos centros de valorização da arte das capitais europeias para os grandes centros metropolitanos dos Estados Unidos, a começar por Nova Iorque.
Por outro lado, a duração e a expansão geográfica do conflito, bem como as suas consequências sociais e económicas, permitem englobar no termo "segundo pós-guerra" uma extensão temporal que vai desde o início dos anos 40 até ao final do decénio.... Por fim, há que destacar a dimensão trágica do conflito nas suas múltiplas manifestações, que não terminaram com o lançamento da bomba atómica, que iria influenciar nas consciências mais esclarecidas muito para lá da contingência do facto isolado, como sinal do encerramento definitivo de um ciclo da história da humanidade, pela consciência, que então se teve, de que era possível destruir todo o planeta.
Se a estas premissas se juntarem as naturais dificuldades de mercado e de efectiva capacidade material de agir, bem como os entusiasmos do pós-guerra quanto à circulação de ideias e de conhecimentos, facilitada pela reabertura das fronteiras tanto políticas como culturais, ter-se-à a visão de um panorama bastante multifacetado, onde se verifica a alternância de continuidade e inovação, aberturas internacionais e defesa das tradições locais, dramas do presente e projecções num futuro a imaginar e construir."
Sandro Sproccati - Guia de História de Arte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bienal de Istambu anuncia lista de artistas participantes...

Por: Rev.Brasileiros O brasileiro Victor Leguy está entre os selecionados para a mostra, que abre em setembro Adicionar  Os curador...